Matizes Escondidos

04/07/2009

Começa com OS/2 Warp e Termina com Xuxa

Outro dia eu vi um caixa eletrônico do Banco do Brasil iniciando (a maioria dos caixas eletrônicos é baseada em PCs comuns). Para a minha surpresa, eles usam o OS/2 Warp, um sistema operacional velhinho que, durante boa parte da década de 1990, foi mais avançado que as versões então disponíveis do Windows. Entretanto ele nunca "pegou" de verdade, talvez por função de dependência de trajetória, como é comum no mercado de tecnologia. Afinal, ainda que o mercado de PCs ainda engatinhasse, a maioria dos computares já vinha equipada com o MS-DOS e o Windows, e as pessoas se acostumaram a eles. Segundo a Wikipedia, ele alcançou, entretanto, uma boa participação no mercado de caixas eletrônicos.


Falando em dependência de trajetória, um dos exemplos preferidos do fenômeno é a persistência do layout de teclado QWERTY, apesar de suas supostas deficiências. Pode ser, porém, que esse não seja um bom exemplo.


 A falta de conteúdo da Internet em português é alarmante. Eu faço uma pesquisa sobre "dependência de trajetória" e olha o que eu encontro:

Autopromoção  

 O resultado #4 fala de um filme pornô!


Escrito por Philipe às 09h47
[] [envie esta mensagem] []


01/07/2009

Ficha da Dilma?

Para quem não acompanhou a confusão Dilma-Folha: em 5 de abril deste ano, a Folha publicou a imagem de uma ficha que traria os crimes da hoje ministra Dilma Roussef durante seus tempos de guerrilheira. A Folha incluiu a seguinte legenda na imagem: "Ficha de Dilma após ser presa com crimes atribuídos a ela, mas que ela não cometeu". Segundo o jornal, a foto seria do arquivo do DOPS.

Isso me deixou estupefato. Semanas antes eu tinha recebido por e-mail a tal imagem. E foi por meio de um e-mail sem muito pedigree, daqueles Fw:FW:Enc:FW:ENC. Achei a ficha relativamente interessante, apesar de ser obviamente uma criação digital recente, não muito bem feita. Creio que quem criou a suposta ficha queria apenas chamar a atenção para esse lado menos conhecido da vida da ministra, mas sem a pretensão que se pensasse que o "documento" fosse real.

Quando vi que o jornal havia publicado a tal ficha, quase caí para trás. Qual seria o próximo passo? Noticiar o fim iminente do Portal Domínio Público?

A ministra protestou, questionando a autencidade da imagem. A Folha se retratou e fez diversos mea-culpa. Recentemente foi publicado que a análise da ficha revelou que ela se tratava de uma montagem.

A pergunta é: como é que os caras da Folha não perceberam, logo de cara, que se tratava de uma montagem? É evidente que a ficha é falsa.

Vamos lá:

Suposta ficha da ministra Dilma 

1 - A letra em azul na ficha é uma velha conhecida, a Arial tamanho 8. A Arial é de 1982, ou seja, posterior à suposta feitura da ficha. Compare abaixo, com a letra da ficha no lado esquerdo, comparado com a Arial 8. São idênticas.

Arial  

2 - A letra em preto e marrom da fixa é a Courier. Ela já existia na década de 1960, mas se ela tivesse sido impressa por máquina de escrever, não poderíamos identificar pontos (pixels) individuais, como vemos na curvatura do "c" maiúsculo.

Courier 

3 - Ao redor das letras podemos notar artefatos de compressão. São os "grãozinhos" que são vistos onde há texto. Se a ficha tivesse sido escaneada e salva em formato com alta compressão, esperaríamos que esses artefatos estivessem espalhados de forma mais uniforme sobre a imagem. O fato deles estarem junto a onde há texto indica que a imagem foi editada diversas vezes e que o texto foi incluído de forma separada do fundo.

Artefatos 

4 - Os "danos" ao "papel" da ficha são mal feitos e alguns se repetem.

Danos duplicados 

Quem criou a ficha provavelmente não é simpático à ministra, o que é completamente defensável em uma democracia. Só que ao criar a tal ficha, e com a "ajuda" dos "aloprados" da Folha, acabou por dar munição à ministra. 


Escrito por Philipe às 21h45
[] [envie esta mensagem] []


30/06/2009

Eu sempre escolhia o Blanka

Eu não sei você, mas eu sempre escolhia o Blanka.

 


Escrito por Philipe às 20h58
[] [envie esta mensagem] []


29/06/2009

Como Ficar Preso no Samsara

Segundo a literatura sobre felicidade (um tópico complexo e controverso, um ponto de partida razoável é este) a felicidade que um indivíduo declara sentir é relativamente estável ao longo do tempo. Ela seria, inclusive, razoavelmente independente dos fatos (bons ou ruins) que lhe acontecem.

Um importante componente da felicidade, entretanto, que é a diferença entre o que se deseja e o que se tem (ou seja, desejo menos realidade), encontra-se em parte sob controle volitivo, ou seja, sob controle consciente. Assim, como ensina o budismo, já que a nossa capacidade de intervir positivamente na realidade é naturalmente limitada, uma das maneiras de buscar ser ser mais feliz é procurar reduzir o desejo do prazer. Isso não quer dizer necessariamente privação, mas sim o controle daquilo que essa filosofia denomina apego. Não é necessariamente desistir de buscar mais , apenas não desejar (e esperar) tanto. 

Esse é o primeiro motivo para eu não ver com bons olhos esta música:

Beijar Na Boca - Cogumelo Plutão

Eu estava numa vida de horror
Com a cabeça baixa sem niguém me dar valor
Andava atrás
Da minha paz

Agora que mudou a situação
Choveu na minha horta vai sobrar na plantação
Deixei para atrás
Pois tanto faz

Eu quero mais, é beijar na boca
Eu quero mais, é beijar na boca
Eu quero mais
Eu quero mais, é beijar na boca
E ser feliz
Daqui para frente
Para sempre


Já que livrei daquela vida tão vulgar
Me vacinei de tudo que podia me pegar
Corri atrás
Quem tenta faz
Eu quero mais mais mais mais mais

Eu quero mais, é beijar na boca
Eu quero mais, é beijar na boca
Eu quero mais
Eu quero mais, é beijar na boca
E ser feliz
Daqui para frente
Para sempre

Poxa, ser feliz para sempre? Isso é por definição o máximo que se pode ter como desejo (conseguir fazer um moonwalk perfeito chega perto).

É por isso que eu sempre digo: não baseie sua filosofia de vida em uma música pop-rock com forte vocação para virar hit no carnaval de Salvador na voz de uma cantora que adiciona consoantes mercadológicas no nome. 

O segundo motivo para não gostar da música é que tem uma academia de ginástica no meu prédio, que coloca a bendita para tocar todo dia na maior altura (na versão da cantora que adiciona consoantes mercadológicas no nome).


Escrito por Philipe às 18h27
[] [envie esta mensagem] []


28/06/2009

Coisa de Idiota

Conheci este blog outro dia, via Folha de São Paulo (que vergonha...). O estilo é interessante, como um SWPL brasileiro. Pena que parece que morreu - dá para ler todos os posts rapidinho. Uma pena.


Escrito por Philipe às 20h53
[] [envie esta mensagem] []



Quem Quer Ser um Indiano - II

Um dia desses eu participei de uma dinâmica de grupo. Uma das atividades que tínhamos que fazer era pegar uma folha de papel, canetinhas, revistas, tesoura e cola e fazer uma apresentação sobre nossa família, nosso trabalho e sobre nós mesmos. Em especial, tínhamos que recortar uma figura da revista com a qual nos identificássemos e explicar porque nos identificamos.

Falar sobre família e trabalho foi ok. Mas e para achar alguém com quem eu me identificasse na revista?

Queria recortar alguém com terno e gravata ("é assim que eu me vejo daqui a cinco anos, etc"), mas todo mundo que eu achava na revista (era uma semanal famosa) vestido com terno e gravata era bandido, ou suspeito de ser bandido. O tempo era curto e estava quase acabando... Eu não queria sair de lá caracterizado como alguém que não conseguia aproveitar estratégicamente o tempo oferecido para criar soluções ganha-ganha para o meu ambiente organizacional e para os clientes.

Até que, deus ex, acho uma matéria sobre aquele filme famoso, Show do Milhão Quem quer ser um milionário?. 

A partir daí foi fácil. Foi só eu falar que, além de parecer fisicamente com o protagonista (é o que dizem), eu também sou fã de Bollywood e trabalhei num call-center, além de me sustentar quando moleque sendo pseudo-guia no Taj Mahal.

Ou então eu falei alguma coisa sobre metas e objetivos, e lutar para alcançá-los. Foi algo assim.

 


Escrito por Philipe às 08h38
[] [envie esta mensagem] []



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
 
 
       
   
Histórico

OUTROS SITES
    A garota 100% perfeita
  Tudo o que você sempre quis saber sobre a multa nos sushis que sobraram no rodízio... mas não tinha coragem de perguntar ao amigo economista
  E-book dos ditados populares
  Dilbert Blog (Scott Adams)
  Geek Press
  A Softer World
  Blog do Mankiw
  Publicidade Positiva
  De Gustibus Non Est Disputandum
  Temas em Economia
  xkcd
  Cracked
  Demography Matters
  Homo Econometricum
  Suspensão de Juízo
  Quatroventos
  phCastro
  Muçarela
  Todos os Links - Matizes Escondidos


VOTAÇÃO
    Dê uma nota para meu blog