Matizes Escondidos

22/09/2007

Tenho casa, carro e Barsa

No meu prédio tem um anúncio de "vende-se" mais ou menos assim:

Vende-se

Uma cama

Uma mesa de telefone

Um armário de duas portas

Uma mesa com quatro cadeiras

Dois criados mudos

Uma escrivaninha

Uma Enciclopédia Barsa

Uma Enciclopédia Mirador

Tratar com fulano no apto. xxx

Pois é, se você reparar, a pessoa está vendendo móveis (diversos) e duas enciclopédias. Bom, enciclopédias.

Um monte de livros grossos, atualizados (na melhor das hipóteses, até uns dois ou três anos atrás). Pois é. Desde o advento das enciclopédias eletrônicas e da popularização da Internet, essas grandes enciclopédias ficaram... deslocadas.

Eu sou fã de livros, adoro pegar e sentir o cheiro do papel, reparar na diagramação e tal. Não acho que a leitura eletrônica chegue aos pés de se ler no papel. Livros-texto, então, são indispensáveis!

Mas a exceção são as enciclopédias. Creio que 90% do tempo, quem consulta enciclopédias (eletrônicas ou em papel) são alunos dos ensino fundamental ou médio que querem fazer (meio sem interesse) uma pesquisa para a escola, sobre algum evento ou fato bem definido, como explicar o que foi a "Sabinada". Para consultar um ou outro verbete, e lembrando que geralmente quem lê na enciclopédia em papel vai acabar digitando parte do texto, as enciclopédias eletrônicas, na minha opinião, são imbatíveis.

Talvez aquelas coleções enormes, caras e meio desajeitadas de livros esteja bem acompanhada no anúncio de venda de móveis. Ultimamente, elas se tornaram quase um enfeite (se não é que já não eram antes).


Escrito por Philipe às 18h18
[] [envie esta mensagem] []



A vida imita a arte ou vice-versa.

Vocês se lembram do dia em que descobrem que a burrice do Homer, de ''Os Simpsons", era causada por um crayon enfiado na cabeça, que afetava o cérebro? Pois é, você achou que era impossível que algo semelhante acontecesse, mas não é. Originalmente em www.belfasttelegraph.co.uk/news/world-news/article2841533.ece:

A 59-year-old woman who has suffered blinding headaches since she was four years old has finally had an 8cm long pencil removed from her skull.

Margaret Wegner underwent the risky procedure in Berlin at the weekend to remove the pencil, which showed up on a computer brain scan.

When she saw the image of the white pencil, snapped in two places, she recalled an accident in the town of Dessau when she was four.

"I remember tripping over and the pencil I was holding disappeared," she said. "I had a pain in my head * the pencil, it seems, had penetrated the skin and bored straight into my skull."

The pencil missed an artery and nerve endings in the brain by a whisker. Doctors at the time deemed it too risky to operate. That remained the consensus among many doctors over the years but the large part of the pencil was finally removed.

The 2cm tip is still embedded. It has been overgrown by nerves and blood cells which are too dangerous to cut through.

Crayon no cérebro de Homer - A crayon in Homer's brain (head)


Escrito por Philipe às 18h10
[] [envie esta mensagem] []



Serviço de utilidade pública

Informação útil para o atual contexto da infraestrutura brasileira: em qual parte do avião a chance de sobrevivência é maior? Confira em http://www.popularmechanics.com/science/air_space/4219452.html.

Lugares mais seguros no avião


Escrito por Philipe às 18h02
[] [envie esta mensagem] []


21/09/2007

Buemba!

http://ultimainstancia.uol.com.br/noticia/42544.shtml

Buemba!

Faculdades federais de MG terão que reservar 50% de vagas à rede pública

Doze centros de ensino superior de Minas Gerais terão de reservar 50% das vagas de todos os seus cursos a candidatos estudantes de escolas públicas. A determinação é do TRF (Tribunal Regional Federal) da 1ª Região, confirmando sentença de primeira instância da Justiça Federal em Minas Gerais. Da decisão, ainda cabe recurso ao Supremo Tribunal Federal e ao Superior Tribunal de Justiça.

Pela decisão, as universidades federais devem elaborar listas de aprovação nos vestibulares diferenciadas entre alunos de escolas privadas e públicas.

São elas a Universidade de Minas Gerais, Viçosa, Lavras, Uberlândia, Juiz de Fora, de Ouro Preto, Fundação de Ensino Superior de São João Del-Rei, Escola Federal de Engenharia de Itajubá, Faculdade Federal de Odontologia de Diamantina, Escola de Farmácia e Odontologia de Alfenas, Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro e Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais.

Para a procuradora regional da República Denise Vinci Tulio, autora do parecer da Procuradoria Regional da República da 1ª Região, “a Constituição Federal garante a igualdade de oportunidades entre todos e, portanto, é direito de todos o acesso aos níveis mais elevados de ensino”.

Segundo ela, “é induvidosa a grande distância entre as condições fornecidas pelas escolas públicas e pelas escolas particulares no preparo daqueles que pretendem prestar o exame vestibular”, o que justifica a necessidade da reserva de vagas.

O pedido de reserva de vagas foi feito em ação civil pública ajuizada pela Procuradoria da República em Minas Gerais em 1999. Em maio de 2001, a 12ª Vara Federal de Belo Horizonte obrigou os centros de ensino superior a destinarem metade de suas vagas a estudantes de escolas públicas. As faculdades recorreram ao TRF-1.

A PRR-1 defendeu a reserva de vagas e o Tribunal, acolhendo o parecer da Procuradoria, manteve a decisão de primeira instância.

A desembargadora federal Selene Maria de Almeida, relatora do processo no TRF-1, afirmou que “o número de vagas nas universidades públicas é notoriamente insuficiente e o processo de privatização acelerado pelo qual o ensino superior está passando não atende às necessidades dos candidatos de baixa renda”.

Foi com essa motivação que o procurador da República Fernando Martins ajuizou a ação há quase oito anos. Para ele, “o ensino superior público, apesar de gerar um alto custo para a sociedade em geral, vem sendo usufruído quase exclusivamente por famílias de classe média e alta”.

Processo: 1999.38.00.036330-8/MG


Escrito por Philipe às 17h45
[] [envie esta mensagem] []


20/09/2007

Transição para o mal

Do www.gustibusgustibus.wordpress.com, um comentário sobre o fato de como os operários da morte em nos campos de concentração nazista tinham uma vida relativamente normal nos momentos de folga.

Ao contrário do pessoal da Escola de Frankfurt, acredito (e acho que essa é a verdade) que esse pessoal não era necessariamente distinto do resto de nós. Ou seja, o holocausto foi feito por pessoas comuns. O que, claro, nos traz uma inquietação: como é que pessoas normais sejam levadas a aceitar um mal de tal tamanho?

Do link de ontem, tiro uma faceta de uma possível explicação. Quem se interessar, leia um bom artigo sobre como pessoas boa podem se tornar malignas, aqui.

The Stanford Prison Experiment

Philip Zimbardo was curious about why prisons are such violent places. Is it because of the character of their inhabitants, or is it due to the corrosive effect of the power structure of the prisons themselves?

To find out, Zimbardo created a mock prison in the basement of the Stanford psychology department. He recruited clean-cut young men as volunteers — none had criminal records and all rated "normal" on psychological tests — and he randomly assigned half of them to play the role of prisoners and the other half to play guards. His plan was that he would step back for two weeks and observe how these model citizens interacted with each other in their new roles.

What happened next has become the stuff of legend.

Social conditions in the mock prison deteriorated with stunning rapidity. On the first night the prisoners staged a revolt, and the guards, feeling threatened by the insubordination of the prisoners, cracked down hard. They began devising creative ways to discipline the prisoners, using methods such as random strip-searches, curtailed bathroom privileges, verbal abuse, sleep deprivation, and the withholding of food.

Under this pressure, prisoners began to crack. The first one left after only thirty-six hours, screaming that he felt like he was "burning up inside." Within six days, four more prisoners had followed his lead, one of whom had broken out in a full-body stress-related rash. It was clear that for everyone involved the new roles had quickly become more than just a game.

Even Zimbardo himself felt seduced by the corrosive psychology of the situation. He began entertaining paranoid fears that his prisoners were planning a break-out, and he tried to contact the real police for help. Luckily, at this point Zimbardo realized things had gone too far. Only six days had passed, but already the happy college kids who had begun the experiment had transformed into sullen prisoners and sadistic guards.

Zimbardo called a meeting the next morning and told everyone they could go home. The remaining prisoners were relieved, but tellingly, the guards were upset. They had been quite enjoying their new-found power and had no desire to give it up.


Escrito por Philipe às 06h45
[] [envie esta mensagem] []


19/09/2007

Disgusting

Confira os 20 experimentos mais bizarros da história da Ciência, em http://www.museumofhoaxes.com/hoax/Top/experiments/P0/.

Pior é a cabeça o cachorro mantida viva separada do corpo...

Meusdeus, isso é mais que bizarro ou trizarro, é pentazarro.

Ugh.


Escrito por Philipe às 21h53
[] [envie esta mensagem] []


17/09/2007

Re-post por terem me chamado hoje de desocupado por ter um blog

Vocês já viram o camarada que toca músicas do Mario (aquele que encanador gordo que consertou o vazamento atrás do armário) no piano? É, músicas do jogo de videogame. Você pode conferir aqui.

É impressionante. O camarada deve ter treinado muito tempo para conseguir fazer tal proeza.

Mas esse não é ponto ao qual desejo chegar. É que diversas vezes eu escutei gente falando "Nossa! Que falta do que fazer!" quando se deparavam com esse tipo de feito. Para elas, o cara tocar as músicas do Mario no piano é explicado pelo cara "não ter o que fazer", ou ainda não "teria o que fazer" o cara que faz filas belas e enormes de dominó para depois derrubar, ou seriam desocupados os caras que fizeram " o cara tussiu".

Será mesmo? Acho que as pessoas que dizem que esses feitos são coisa de gente "à toa" não conseguriam fazer o que os supostos desocupados fazem mesmo com muito mais tempo. Eles fazem pouco caso dos caras, mas na verdade, não chegam nem aos pés deles. O principal insumo para realizar tais coisas não é tempo, e sim talento e capacidade de se esforçar!

Tenho me policiado para não falar que realizar esses feitos é coisa de desocupado.

Vou e monto o meu!


Escrito por Philipe às 17h39
[] [envie esta mensagem] []



De R$110 por R$119

Promoção imperdível:


Escrito por Philipe às 17h30
[] [envie esta mensagem] []


16/09/2007

Eu já desconfiava... Estraga-prazeres.

Bom demais para ser verdade...

Dica no Youtube: http://www.youtube.com/watch?v=IcAdEBuF3uc

Vocês já viram o documentário sobre um apresentador que perde o emprego num programa de entrevistas, ao rir de um homem cuja voz se tornou engraçada após um erro médico? Rir não, gargalhar?

Vale a pena, certeza de boas risadas!

Mas depois, dê uma conferida na wikipedia, aqui.


Escrito por Philipe às 10h06
[] [envie esta mensagem] []



Anotação cotidiana

Uma coisa que me chama a atenção (talvez pelo fato d'eu ter uma pequena veia de engenheiro) é o desenho de interfaces. Ok, você tem um produto ou processo legal, mas como apresentá-lo ao consumidor que vai usá-lo? Qual é a habilidade dele? Sua idade ou capacidade de aprender?

Hoje em dia, acredito que quase todos os usuário de internet saibam o que é 'email' (salvo pelos casos esporádicos de gente apresentando seu email como www.paulo@gmail.com), mas nem todos devem saber o que é 'login'.

Pensei nisso outro dia, enquanto logava no UOL para ler conteúdo exclusivo do assinante. Olhem só o que o UOL pede para logar:

Em vez de pedir o seu login (o que confundiria muitos usuários, o site pede o email. Daí, creio que o site simplesmente ignore o que está depois da arroba e deduza o login a partir do email. Testei sem colocar o email, colocando só o login e a senha, e funciona perfeitamente.

Creio que o mecanismo acima tem um probleminha, porém. Irá falhar caso o assinante, em vez de colocar o seu email do UOL, coloque outro, como gmail. Falou explicar que email a ser colocado acima é o do UOL.


Escrito por Philipe às 09h52
[] [envie esta mensagem] []



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
 
 
       
   
Histórico

OUTROS SITES
    A garota 100% perfeita
  Tudo o que você sempre quis saber sobre a multa nos sushis que sobraram no rodízio... mas não tinha coragem de perguntar ao amigo economista
  E-book dos ditados populares
  Dilbert Blog (Scott Adams)
  Geek Press
  A Softer World
  Blog do Mankiw
  Publicidade Positiva
  De Gustibus Non Est Disputandum
  Temas em Economia
  xkcd
  Cracked
  Demography Matters
  Homo Econometricum
  Suspensão de Juízo
  Quatroventos
  phCastro
  Muçarela
  Todos os Links - Matizes Escondidos


VOTAÇÃO
    Dê uma nota para meu blog