Matizes Escondidos

01/09/2007

Fazendo piada com temas delicados

Observação:

Algumas pessoas tem chegado a este post, que é de humor, através do Google. Embora o meu humilde blog não tenha a pretensão de dar ajuda médica às desesperadas (e desesperados), você pode achar a bula de remédio baseado em levonorgestrel, como o tal Diad, clicando aqui. Sobre as pílulas de contracepção de emergência, clique aqui.

 


 

Dia D

Hoje eu estava caminhando numa rua perto da minha casa (no interior).

O dia estava claro, sem estar quente, e a paisagem é muito gostosa. Além disso, adoro o ar meio deserto da minha cidade. Mas isso fica para outro dia.

O fato é que, caminhando, eu vi uma cartelinha de remédio (vazia) jogada na rua, junto de uma bula.

Seria o lixo de domínio público? Essa é uma discussão complicada! Alguém aí é advogado para me dar uma dica?

Mas o fato é que eu peguei, sem muito interesse, a bula para dar uma olhadinha no que se tratava. A bula lia "leveroalgumacoisagestrel". Eu sabia que era um contraceptivo. Eu nem daria muita atenção, se não tivesse reparado na cartelinha dos comprimidos. Era pequena, só tinha espaço para dois comprimidos. Ou seja, não era o anticoncepcional comum, daquele de tomar o mês inteiro.

Aí eu deduzi (corretamente) que se tratava da famosa 'pílula do dia seguinte'.

Neste momento o eventual leitor irá ficar revoltado: "Philipe, a pílula do dia seguinte é um artigo comum da vida moderna. Você fica mistificando em torno dela? Amadureça!".

Aí eu retruco: "Me deixe terminar!"

O legal não era o fato de ser uma pílula do seguinte. O legal era que o nome do remédio era DIAD.

Bom, eram duas pílulas, o que pode explicar o nome do remédio, relacionando-se à 'díade', que significa dupla.

Mas esse é o jeito convencional de se olhar para as coisas... 

Olhe só, o nome do remédio é DIAD, coloque-se um espaço que vira DIA D! Meudeus, Dia D!

Hehehe! Dia D, ou seja, o dia mais importante.

Sem dúvida, o dia de se impedir uma gravidez indesejada é dos mais importantes!

Imagino o pessoal do marketing discutindo o nome do remédio:

"Acho que a gente deve colocar um nome fantasia mais discreto no remédio. Sabe, ninguém realmente quer tomar pílula do dia seguinte. É um recurso de emergência. Não vamos fazer piadinha e tornar uma situação difícil ainda pior..."

"Que nada, a gente tem que se divertir. Dia D, ou melhor, a gente coloca DIAD. Qualquer coisa, a gente fala que é por causa do fato de serem duas pílulas. Quem sabe algum blogueiro obscuro ainda cita o remédio no seu humilde blog. A vida sem piada não vale a pena! Rararará!"

"Demorô."

DIAD, hahahahahahahaha.


Escrito por Philipe às 09h58
[] [envie esta mensagem] []


31/08/2007

Mulher solteira procura

Eu reparo um pouco em propagandas na internet. Esta aqui é a mais tosca de todas:

Tosco! Rarararará!

Como assim? Uma mulher (menina) de 19 anos que prefere homens mais velhos para relacionamento de curta duração? O sonho evolutivo de 95% dos homens?

E ela, com todos esses atributos, precisa pagar um banner na net para achar um homi?

É ruim, hein?

É um pega trouxa, e muito mal feito.

Mas é engraçado! Gif animado comanda!

Sem contar o movimento do gif, que é beem sugestivo...


Escrito por Philipe às 20h22
[] [envie esta mensagem] []


30/08/2007

Sua majestade, o porco

Hoje no meu estágio eu peguei o mouse ótico e o virei para cima. Como esperado, ele tinha aquela luz vermelha por baixo. Eu então resolvi projetar a luz na parede.

Eu fiquei simplesmente impressionado com o que vi então: a imagem projetada era igual a um porco sorrindo, de olhos bem abertos, e com uma coroa na cabeça!

Será que foi intencional?

Aqueles lasers de apresentação às vezes vêm acompanhados de uns filtros que fazem a luz tomar umas formas, como sinais de trânsito ou de bichos. Será que é algo nesse princípio?

O fato é que o porco sorridente e de coroa, projetado pelo mouse, estava lá!

Igualzinho ao porco (na verdade, porca) que é símbolo da Frios Imperatriz... Alguém já viu?

Na falta do símbolo da Imperatriz, eu coloco outro porco com coroa.

De http://www.flickr.com/photos/kellylwatson/118398778/


Escrito por Philipe às 22h28
[] [envie esta mensagem] []


29/08/2007

Re-post

Humm... Hoje trombei com este texto no computador hoje e gostei de o reler, se alguém animar...

Sonho, 17/04/2000-7

Hoje eu sonhei que era capaz de voltar no tempo. Sim, viajar para o passado.

Está postado em http://matizes.escondidos.zip.net/arch2007-04-15_2007-04-21.html#2007_04-17_08_42_38-8357085-0


Escrito por Philipe às 21h48
[] [envie esta mensagem] []


28/08/2007

How do you spell that?

Já me acostumei com o fato de ninguém escrever o meu nome certo. Quando eu falo que meu nome é "Philipe", com "Ph", geralmente saem coisas como Feliphe, Philiphe ou, o pior de todos, Fhelipe. Fhelipe é o pior de todos porque nem mesmo tem "Ph", e sim um "FH'. Sério.

Outro dia eu estava na loja com o eu amigo Igor quando a moça perguntou meu nome para um cadastro. Eu disse que era "Philipe", mas não expliquei que era com "Ph".

Meudeus, mesmo após 21 anos, eu ainda me surpreendo com a capacidade de errarem o meu nome. A moça escreveu "Filipy". Meudeus. De onde a mulher tirou o bendito "y"?

Ok, eu não disse que o meu nome era com "Ph". Assim, esperava que ela escrevesse "Felipe" ou "Filipe".

Mas não, ela me sacou um bendito "y".

Deu vontade de chamar a moça para sentar numa cadeira, tomar um poquinho de café e explicar sobre a navalha de Occam.

Da Wikipedia:

Occam's razor (sometimes spelled Ockham's razor) is a principle attributed to the 14th-century English logician and Franciscan friar William of Ockham. The principle states that the explanation of any phenomenon should make as few assumptions as possible, eliminating those that make no difference in the observable predictions of the explanatory hypothesis or theory. The principle is often expressed in Latin as the lex parsimoniae ("law of parsimony" or "law of succinctness"):

“ entia non sunt multiplicanda praeter necessitatem, ”

which translates to:

“ entities should not be multiplied beyond necessity. ”

This is often paraphrased as "All things being equal, the simplest solution tends to be the best one," or alternately, "the simplest explanation tends to be the right one." In other words, when multiple competing theories are equal in other respects, the principle recommends selecting the theory that introduces the fewest assumptions and postulates the fewest hypothetical entities. It is in this sense that Occam's razor is usually understood.

Mas o dia era sábado e eu tinha mais o que fazer. =)


Escrito por Philipe às 20h28
[] [envie esta mensagem] []



Monitores

Pequena forma de tornar o mundo um pouco melhor a custo pequeno:

Sempre que eu vejo um computador com monitor CRT (tubo), eu doi uma olhadinha nas configurações de vídeo para checar a taxa de atualização da imagem. Quando o monitor está configurado para 60hz ou menos (God forbid), a imagem fica trêmula, com o maldito flicker, que cansa muito os olhos. A tela pisca, pisca, pisca.

O pior é que muita gente não repara nisso. Acaba trabalhando horas num monitor mal configurado, o que ajuda a acabar com o pique de qualquer um.

Assim, como dito acima, quando eu descubro um computador com monitor de tubo, eu tenho dar uma olhadinha na taxa de atualização. Muitas vezes o computador está configurado para exibição a 60Hz, embora surporte 72Hz ou mais. Acredite, aumentar esse valor faz *muita* diferença no conforto visual.

Aí, se for possível, eu altero a taxa de atualização para uma maior e chamo o dono da máquina para ele ver se nota diferença. Geralmente, de primeira, eles dizem que não. Aí, quando eu volto a imagem para 60Hz, eles se surpreendem e reparam que imagem estava ruim.

São muitos os computadores, mundo afora, com monitores desconfigurados, cansando desnecessariamente o usuário da máquina. Eu tento arrumar os que posso.

E você? O que faz para um mundo melhor? =)


Escrito por Philipe às 20h18
[] [envie esta mensagem] []


27/08/2007

Espâmicas

Como foi dito ontem, o Matizes Escondidos deu uma pequena ajuda para que o e-book "Tudo o que você sempre quis saber sobre a multa nos sushis que sobraram no rodízio...mas não tinha coragem de perguntar ao amigo economista" em http://shikida.net/sushi.pdf viesse ao mundo.

Bom, hoje eu estava fuçando a net para saber até onde iriam links e comentários sobre a pequena obra.

Muito para a minha surpresa, eu achei um spam blog, que usa palavras do blog De Gustibus para gerar textos quase aleatórios. O/A filho(a) da mãe (pai) que fez o spam blog deve estar muito feliz d'eu estar comentando esse "site" aqui. Hehehehe, o fato é que acho spam bem divertido, desde que não entupa o meu email.


Escrito por Philipe às 21h44
[] [envie esta mensagem] []



Inflação é fluxo, nível de preços é estoque

Hoje eu estava lendo jornal quando topei com um texto que me chamou a atenção: segundo a reportagem, o salário médio do brasileiro havia caído, não lembro exatamente o valor, por volta de 2%, num dado intervalo de tempo dentro deste ano .

Eu achei estranho, pois já havia lido que este vai ser um ano de "grande" crescimento econômico (pode até ser, comparado com o século XIX). Com isso em mente, eu continuei a ler a reportagem. No final, e acompanhada de um gráfico, descobrimos a verdade: o que aconteceu é que no período t o salário médio havia aumentado, digamos, 7%, enquanto no último período, t+1, a taxa de crescimento havia caído, para cerca de 2%.

Ok, ok. A taxa de crescimento pode ter caído, mas o salário continuou aumentando (só que menos). É a mesma coisa de se pensar numa criança crescendo: em um ano, ela pode crescer 5 centímetros. No outro, ela pode crescer só 2 cm. Ok, no último período ela cresceu menos, mas cresceu. Ou seja, sua altura aumentou.

Gente, gente... Não pode confundir fluxo (como taxa de crescimento) com estoque (como valor salarial médio ou altura)... Não pode mesmo.

E notícias mal escritas abundam por aí...

O humilde blog tem muitos problemas, mas é de graça (descontando o custo de oportunidade do tempo do eventual leitor, que, se é meu leitor, deve ser alto). Se eu escrevesse para um jornal e recebesse por isso, iria revisar muitas e muitas vezes os meus escritos, para evitar abobrinhas.


Escrito por Philipe às 21h23
[] [envie esta mensagem] []



Fluxo de pensamento

Ivo Gonzalez, AP

Alguém se lembra de um episódio que aconteceu durante o Pan-2007 no Rio, quando um funcionário da delegação americana colocou um cartaz escrito "Welcome to the Congo" na sua mesa de trabalho, juntamente com uma lata de inseticida? Para o azar dele, alguém tirou uma foto, que logo foi publicada em diversos jornais. Confira em http://nbcsports.msnbc.com/id/19652864/.

Ele dizia que era uma forma de protestar contra o fato de estar muito quente e ter diversos insetos na sala dele...

O público ficou furioso com o cartaz, as autoridades brasileiras ficaram furiosas... Como pode o Brasil ser chamado de Congo?

O que não sei foi o que as autoridades congolesas fizeram para protestar pelo fato de gente brasileira ter ficado tão furiosa com a representação. Seria 'Congo' uma espécie de xingamento?

Não seríamos tão diplomáticos assim, no final da história?

Na verdade, temos dois 'Congos' atualmente: A República Democrática do Congo e a República do Congo.

Quer uma dica para o vestibular (vida)? Geralmente os países com 'Democrático' no nome são ditaduras, como a República Democrática Alemã (a antiga Alemanha Oriental).

Se você precisa alardear demais o fato de ser alguma coisa, é sinal de fraqueza e insegurança. Eu li em algum lugar (era um artigo acadêmico bem sério) que são os Ph.Ds que obtiveram mais recentemente o diploma que ficam alardeando por aí sobre a obtenção do título. Os Ph.Ds experientes e cheios de competência simplesmente se deixam notar pela competência.

Paz e prosperidade ao povo congolês!


Escrito por Philipe às 21h10
[] [envie esta mensagem] []



Claudio goes Claude

O blog De Gustibus Non Est Disputandum é uma espécie de pequeno hub na blogosfera, ajudando a divulgar e a coordenar outros blogs, além de ter conteúdo próprio muito relevante, e tem um clipping sempre atualizado.

Hoje eu estava dando uma olhada no De Gustibus quando eu me deparei com um botãozinho de "traduzir blog". Eu sempre me divirto com tradutores automáticos e cliquei lá dar uma ou outra risada.

A tradição é que nomes não são traduzidos, a não ser que se tratem de figuras famosas e cuja tradução de nome já tenha se tornado clássica(Machiavelli vira Maquiavel, por exemplo).

Traduzir "Claudio"´para Claude foi engraçado. Ficou parecendo intelectual (!!!) francês que discute fenomenologia pós-heideggariana (se é que algo semelhante existe).


Escrito por Philipe às 07h29
[] [envie esta mensagem] []



Grrr!

A caixa de diálogo do gmail "disse" Grrr!. Hahahaha!

Dizem que o Google vai dominar o mundo, cortar todas as árvores e fazer papel com elas, para espalhar um oceano de linhas de código impressas, enquanto soldados chicoteiam as pessoas com o seu passado espinhoso, devidamente documentado no orkut.

Até lá, eu me divirto com essas pequenas piadas dos serviços.


Escrito por Philipe às 07h09
[] [envie esta mensagem] []



Fire is devil's only friend

Você já deve ter escutado a música "American Pie", de Don McLean. É, Don McLean, não é Madonna não, ok?

Ninguém sabe muito sobre o que trata a música, a não ser que ela traz muitas referências à história do rock e ao dia em que a música morreu. Leia mais obre ela na Wikipedia.org.

Eu simplesmente acho fantástico o trecho abaixo. Se você não conhece a música, dê um jeito de baixar!

Did you write the book of love,
And do you have faith in God above,
If the Bible tells you so?
Do you believe in rock ’n roll,
Can music save your mortal soul,
And can you teach me how to dance real slow?

Well, I know that you’re in love with him
`cause I saw you dancin’ in the gym.
You both kicked off your shoes.
Man, I dig those rhythm and blues.

I was a lonely teenage broncin’ buck
With a pink carnation and a pickup truck,
But I knew I was out of luck
The day the music died.


Escrito por Philipe às 07h03
[] [envie esta mensagem] []


26/08/2007

Cuidado com o olho maior do que a barriga!

E-book novo na área: "Tudo o que você sempre quis saber sobre a multa nos sushis que sobraram no rodízio...mas não tinha coragem de perguntar ao amigo economista".

Matizes Escondidos colaborou com um pequeno artigo para o livro, além de ajudar na escolha do título e na revisão do texto.

Para quem animar de ler, é só baixar em http://shikida.net/sushi.pdf.

Agradecimento a todos envolvidos!


Escrito por Philipe às 19h27
[] [envie esta mensagem] []



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
 
 
       
   
Histórico

OUTROS SITES
    A garota 100% perfeita
  Tudo o que você sempre quis saber sobre a multa nos sushis que sobraram no rodízio... mas não tinha coragem de perguntar ao amigo economista
  E-book dos ditados populares
  Dilbert Blog (Scott Adams)
  Geek Press
  A Softer World
  Blog do Mankiw
  Publicidade Positiva
  De Gustibus Non Est Disputandum
  Temas em Economia
  xkcd
  Cracked
  Demography Matters
  Homo Econometricum
  Suspensão de Juízo
  Quatroventos
  phCastro
  Muçarela
  Todos os Links - Matizes Escondidos


VOTAÇÃO
    Dê uma nota para meu blog