Matizes Escondidos

16/06/2007

Sula!

Outro dia eu vi "O hospedeiro" no cinema. É um filme diferente, coreano, com uma mistura de filme de "monstro" com comédia e non-sense. É bom e recomendo.

Nesse espírito, eu me lembrei de uma historinha que li na sétima série. Assim como o filme, é de "monstro" e non-sense, embora não necessariamente engraçada. Eu a digitalizei e coloco aqui no blog.

É um excerto de "Terror nas sombras", de Antônio Carlos Neves. Relata o encontro de Sulamita com uma barata gigante.

Barata gigante

   Aquilo não existia.
   Era uma coisa absurda, simplesmente não poderia estar ali, bem à sua frente, olhando-a nos olhos, como alguém que encontramos dentro de um elevador.
   E, no entanto, existia.
   Estava bem ali.
   Uma monstruosidade.
   "Meu Deus, só posso estar sonhando!", ela pensou, piscando muito os olhos, ainda incrédula.
 O local - um esgoto - era até adequado. Mas como podia existir uma coisa assim tão impossível?
   Dando um passo atrás e soltando a escada de ferro que a levaria até a superfície, Sulamita suspirou de terror: por mais de dez segundos simplesmente não respirara, os pulmões colados de tanto pavor.
   Diante dela estava uma barata com mais de dois metros de altura e cujo comprimento perdia-se dentro de um dos túneis, esfregando as patas dianteiras, como um comilão satisfeito diante do prato de boa comida.
   - Nãããooo!
   Finalmente ela conseguiu gritar, o medo e o nojo correndo por suas veias e eriçando os pêlos de seu corpo, como uma descarga elétrica.
   A barata pareceu, por um momento, incomodada com o grito - ergueu as patas finas e denteadas e recuou ligeiramente.
   Como se um sinal fosse dado, o ruído de fricção desapareceu.
   A vida é um dom precioso e somente na hora de perdê-la é que se tem a noção exata de sua magnitude. Desesperada, Sulamita começou a subir a escada  - ou, pelo menos, tentou subir. O nervosismo a atrapalhou e ela não conseguiu manter-se firme sobre o degrau, escorregadio de limo e sujeira, o pé deslizando sobre a barra enferrujada a cada tentativa de firmar-se. Alucinada, olhou para trás, apenas para descobrir que a barata tornava a se mexer. Por um momento, que lhe pareceu sem sentido e fora de hora, pensou que a barata não poderia voar ali dentro com aquelas asas que encostavam no teto do túnel maior e ainda perdeu alguns segundos valiosos imaginando como ela faria para percorrer todos os labirintos mais estreitos.
   Então a barata avançou.
   Quase paralisada de tanto medo, com o nojo revolvendo suas entranhas, Sulamita agarrou as barras laterais da escada e pulou sobre o degrau: os pés resvalaram no limo, deslizaram, e ela sentiu uma dor alucinante quando suas canelas bateram violentamente contra o degrau de ferro.
   Estava pendurada na escada, sustentada apenas pelas mãos, sentindo as farpas metálicas soltas pela ferrugem magoando sua pele.
   Então a barata, fétida e áspera, a envolveu.
  As pernas pareciam serras em torno de sua cintura, rasgando a roupa e ferindo seu corpo. Ela gritou de dor, desespero e muito medo. Entretanto, ainda teve lucidez para saber que a cabeça da barata estava exatamente sobre sua nuca, podia até sentir uma espécie de hálito quente e nauseabundo espalhando-se como uma nuvem de gás venenoso em volta de sua cabeça.
   Ela ia enlouquecer!
   Foi a fraqueza que a salvou momentaneamente. Sentiu uma vertigem que fez rodopiar tudo em volta - escada, túnel, barata e fezes secas - e sentiu que, apesar do abraço mortal do inseto, escapava em direção ao chão. Caiu deitada de lado. E, na semi-escuridão em que estava, percebeu a silhueta daquele monstro impossível contra a claridade da abertura lá em cima, onde estava sua salvação, como uma vida que lhe acenasse com uma nova chance.
   Sabia que estava perdida.
   Então, numa última explosão de revivência, lembrou-se dos filhos, como se um filme corresse bem à sua frente, mostrando-os em seus minutos e anos de crescimento, com as descobertas dos primeiros passos e da primeira palavra inteligível, a escola,
os passeios, em que o marido assemelhava-se a uma sombra vigilante, mas sempre distante - tudo em não mais que poucos e finais segundos de vida.
   O cheiro de sangue, escorrendo pelas feridas abertas em sua cintura, pareceu aguçar ainda mais o apetite da barata e ela tornou a atacar. Em breve, nada mais restava. (...)
   Satisfeita, a barata ficou um instante esfregando as patas, pequenos ruídos de fricção espalhando-se pelo esgoto. Depois, uma espécie de arroto aflorou à superfície daquela aberração e ela, como uma fumaça dentro de uma ventania, evaporou-se.
   Desaparecera como um sonho.
   Como uma fantasia.


Escrito por Philipe às 12h58
[] [envie esta mensagem] []


15/06/2007

Comunismo II

Vocês viram o camarada (oh, foi sem querer! Juro!) polonês que entrou em coma há 19 anos atrás e acordou faz poucas semanas?

Eu queria ter escrito algo sobre isso aqui há mais tempo, mas esqueci. Parece Adeus, Lênin, não é?

Quais são as diferenças entre a Polônia de então e a atual?

"When I went into a coma there was only tea and vinegar in the shops, meat was rationed and huge petrol queues were everywhere," Grzebski tells TVN24, according to Reuters. "Now I see people on the streets with cellphones and there are so many goods in the shops it makes my head spin."

Comunismo pode até ser divertido, desde que seja no Gulag dos outros...


Escrito por Philipe às 17h42
[] [envie esta mensagem] []



Comunismo I

Relato relevante sobre a relação dos russos com o álcool aqui. Há algum tempo eu escrevi um breve comentário sobre políticas públicas usando o exemplo do aumento dos impostos sobre álcool na Rússia, disponível aqui.

A man is sick of standing in the vodka queue.

"Right," he declares. "That's it. I'm off to the Kremlin to tell Gorbachev what I think of him."

A couple of hours later, he is back. "Well?" his friends ask. "The queue there was even longer," he replies.


Escrito por Philipe às 17h37
[] [envie esta mensagem] []



Flagrante 2

Olhem só o que eu achei no histórico do Internet Explorer de um computador da faculdade:

Pois é! Hum... Eles tem controle de quem estava usando cada máquina a cada hora... Se eu fosse bem mlavado eu poderia ter ido atrás e descoberto quem era.

É por isso que quando eu faço algo delicado em um computador (o que é raro), eu sempre apago histórico e arquivos temporários...


Escrito por Philipe às 17h28
[] [envie esta mensagem] []



Flagrante 1

Olha a monografia! Mulher bonita não paga... E também não leva!

'Mono' em espanhol é macaco. Alguém aí se interessa por uma macacografia?


Escrito por Philipe às 17h17
[] [envie esta mensagem] []



Isso é fácio!

L'Oreal. Porque você merece.

Sobre erros de português:

Eu não costumo reler cuidadosamente cada post que escrevo. Na verdade, só faço isso para aqueles que acho que vão atrair mais atenção (ou seja, cerca de quatro pessoas diferentes ). Assim, creio que há alguns erros de português bem feios por aí.

Caso alguém encontre algum, me dê um toque, ok?


Escrito por Philipe às 17h07
[] [envie esta mensagem] []


14/06/2007

Juche! Saúde!

É normal usar uma figura de linguagem que trata do governo de um país pelo nome de sua capital, como em Madri afirma que não tem como ajudar imigrantes ou Washington afirma que não irá retroceder da idéia de instalar escudo antimíssil.

Talvez o colega deste blog aqui tenha se confundido um pouco ao ver essa figura de linguagem usada no caso da Coréia do Norte...

Primeiro, Pyongyang, líder norte-coreano, sofre das faculdades mentais, necessitando de tratamento médico. Nesse caso, seu próximo passo e seus objetivos podem ser completamente ilógicos.

Talvez prevendo uma vitória fácil, Pyongyang  venha a descobrir que um sol nascente pode estar acompanhado de raios e trovões.

Pois é!



Escrito por Philipe às 20h51
[] [envie esta mensagem] []



3 minutos

O melhor amigo do homem solteiro é o macarrão instantâneo. Há uma pletora deles, mas o preferido de 9 entre cada 10 preguiçosos é o Nissin Miojo Hot. Se outros são como eu, o tempero do Miojo Hot é igual aos outros, o que faz a grande diferença é a massa, que é mais encorpada em relação aos outros macarrões instantâneos.

Estava lá eu um dia desses no supermercado para comprar meu Miojo Hot. Infelizmente não o achei. Nesse caso, tive de comprar outro macarrão. No caixa, a pergunta de sempre: Encontrou tudo o que desejava? Geralmente eu respondo que sim (mesmo quando não achei o que procurava). Mas nesse dia eu fiquei decepcionado por não achar meu miojo preferido. Respondi à moça que não tinha achado o meu macarrão. E ela: Ok, vou anotar aqui... Eu fiquei olhando para a mão da caixa para ver o que ela iria escrever...

E qual não foi a minha decepção quando vi que ela escreveu no papel que eu não tinha achado Nissin Rote. Eu acho que ela não estava fazendo gracinha e falando que eu não achei Nissin Vermelho em alemão. Eu fui embora para casa chateado por ter ficado sem o meu miojo preferido e pela moça do caixa, que não sabia como escrever hot...


Escrito por Philipe às 20h35
[] [envie esta mensagem] []


13/06/2007

Quebra o galho!

Via Relnet.com.br:

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) disponibiliza em seu site uma ferramenta muito útil para aquela parte maçante de qualquer trabalho acadêmico: a formatação das referências bibliográficas. O aplicativo é simples e prático: você preenche os campos do formulário com as informações sobre o documento, e ele devolve a referência pronta, no padrão ABNT.

Permite também a criação de um banco de dados pessoal de referências bibliográficas que conta com uma ferramenta de busca para a recuperação das referências armazenadas.

Acesse em http://more.rexlab.ufsc.br/index.jsp#.

MACIEL, Philipe. Quebra o galho! Disponível em: <http://matizes.escondidos.zip.net/arch2007-06-10_2007-06-16.html#2007_06-13_08_50_55-8357085-0>. Acesso em: 13 jun. 2007.  


Escrito por Philipe às 07h50
[] [envie esta mensagem] []


12/06/2007

Craqueamento, fracionamento, etc

Novo link à esquerda: http://www.cracked.com, o único site americano de humor.

O site é um dos melhores de humor que eu conheço. Pena (para mim, que sou brasileiro) que às vezes seja tão específico em relação a coisas que americanos acham engraçado, (e o inglês é bem pesadinho também). Mas vale a pena dar uma olhada, é único.

Dicas:

8 Important Lessons Learned from '80s Cartoons

Who's the Next World Superpower?

5 Recent Scientific Advances (And How They'll Destroy Us All)


Escrito por Philipe às 20h21
[] [envie esta mensagem] []


11/06/2007

RIC?

Uai, cadê o Brasil? Tiraram o B do BRIC!


Escrito por Philipe às 07h54
[] [envie esta mensagem] []


10/06/2007

Clipping

Notícias inusitadas e que parecem muito trash, mas não são:

Paciente tem a mão direita implantada no braço esquerdo

Caminhão arrasta jovem em cadeira de rodas a 80 km/h nos EUA


Escrito por Philipe às 17h01
[] [envie esta mensagem] []



Mais cargo cults

Olhem só esta aqui:

Is Prince Philip an island god? 

Britain's Duke of Edinburgh may be planning a quiet birthday celebration at home this weekend, but there will be feasting and flag-waving in an isolated jungle village in the South Pacific nation of Vanuatu, where he is worshipped as a god. 

Será que as pessoas "modernas" são diferentes em alguma coisas dos pessoas "tradicionais"?

Meu voto é que não, em absolutamente nada.

Mais posts sobre cargo cults aqui e aqui.

Eu tenho uma ou duas coisas para comentar sobre o tema aqui, mas não seria nada policiticamente correto.


Escrito por Philipe às 07h33
[] [envie esta mensagem] []



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
 
 
       
   
Histórico

OUTROS SITES
    A garota 100% perfeita
  Tudo o que você sempre quis saber sobre a multa nos sushis que sobraram no rodízio... mas não tinha coragem de perguntar ao amigo economista
  E-book dos ditados populares
  Dilbert Blog (Scott Adams)
  Geek Press
  A Softer World
  Blog do Mankiw
  Publicidade Positiva
  De Gustibus Non Est Disputandum
  Temas em Economia
  xkcd
  Cracked
  Demography Matters
  Homo Econometricum
  Suspensão de Juízo
  Quatroventos
  phCastro
  Muçarela
  Todos os Links - Matizes Escondidos


VOTAÇÃO
    Dê uma nota para meu blog